Algoritmo do Google e suas principais atualizações

Mão segurando um celular em que na tela aparece a palavra Search em letras coloridas, que remetem as cores do Google.

Ter a página do seu negócio bem posicionada no Google com as palavras-chave estratégicas é garantia de sucesso e crescimento da empresa. Mas para que seu site apareça nos primeiros lugares das pesquisas é importante conhecer o algoritmo utilizado pelo mecanismo de busca e suas atualizações. O algoritmo do Google é uma fórmula responsável por filtrar o que é mais relevante e entregar as informações nas páginas de resultado, de acordo com a busca do usuário e os fatores de ranqueamento. Com isso o buscador não joga simplesmente todo o conteúdo disponível na página, sem critério algum de classificação. São enviados robôs ou rastreadores da internet para verificar todos os sites e determinar, considerando mais de 200 fatores diferentes, como classificá-los nas páginas de resultados.

O Google está trabalhando constantemente em atualizações de seu algoritmo para evoluir e melhorar cada vez mais a experiência do usuário.  Com isso, você é exigido a estar sempre se atualizando para fazer os ajustes nas suas táticas de SEO para manter a otimização e o tráfego do seu site.

 Para facilitar a compreensão, saiba que esse algoritmo passa por dois tipos de atualizações, que são:

– Atualizações diárias: todos os dias o algoritmo do Google passa por pequenas mudanças para aperfeiçoar seu processo de entrega dos resultados;

– Core Updates: São as grandes atualizações realizadas a cada ano no algoritmo principal, gerando alterações mais evidentes nos resultados orgânicos dos sites.

Vamos conhecer agora algumas dessas maiores e principais atualizações que recebem diferentes nomes para serem bem lembradas:

Florida

Primeira grande atualização do Google feita em 2003, pode ser considerada a responsável pelo surgimento do SEO. O objetivo era de combater o uso de técnicas de Black Hat. Essa atualização fez desaparecer, em média, 72% dos sites de baixa qualidade que antes estavam no top 100 dos resultados.

Panda

Lançado em 2011, o Panda foi uma significativa atualização que afetou aproximadamente 12% dos resultados de pesquisa rebaixando milhares de sites no ranking. Sua missão era punir sites com conteúdo de baixa qualidade, que possuíam muitos anúncios, conteúdo duplicado ou copiado e textos gerados automaticamente. A partir de então, várias atualizações do Panda foram feitas com o foco sempre na qualidade do conteúdo dos sites.

Penguin

Com o objetivo de penalizar sites que praticam keyword stuffing e que possuem esquemas para gerar links, o Penguin foi criado em 2012 e a atualização foi responsável por conter o excesso de otimizações das páginas. Já consciente da importância do SEO, o Google buscava mirar cada vez mais aqueles sites com conteúdo de baixa qualidade e que ficavam tentando enganar o algoritmo. Tal como o Panda, o Penguin passou por uma série de melhorias, até chegar na versão 4.0, em 2016.

Hummingbird

O Hummingbird, ao contrário das atualizações anteriores, buscou mais por aprimorar os resultados de busca do que penalizar as páginas. A partir de 2013 os sites não precisavam mais ter a palavra-chave exata a ser pesquisada pelo usuário. Através de sinônimos, semântica do termo de busca, contexto em que as palavras estão inseridas e histórico de pesquisas do visitante, o Google já compreendia o que ele estava pesquisando para entrega resultados mais assertivos de acordo com a intenção. Assim, os sites não precisavam mais utilizar de forma excessiva as palavras-chave, o que prejudicava a qualidade do conteúdo. Como se vê o Hummingbird não foi apenas uma simples atualização do algoritmo do Google, mas uma profunda alteração do mecanismo de busca.

Mobilegeddon

Como bem sabemos a maioria das pessoas utiliza dispositivos móveis para se conectar e realizar as pesquisas na internet. A atualização do Google em 2015 para dispositivos móveis, conhecida como Mobilegeddon, foi para priorizar no ranking os sites amigáveis, chamados mobile-friendly, para mecanismos de busca nas pesquisas feitas em smartphones e tablets. O objetivo era melhorar a experiência do usuário de dispositivos móveis, dando maior visibilidade aos sites com design responsivo, melhor usabilidade e velocidade de carregamento.

Rankbrain

Também em 2015, o Google lançou outra atualização que se tratava de uma evolução do Hummingbird, o Rankbrain. Assim, o algoritmo passaria a utilizar inteligência artificial e machine learning para interpretar ainda melhor as intenções de busca dos usuários. Foi um grande avanço na tecnologia do buscador, uma vez que ele aprendeu automaticamente sobre a intenção das pesquisas e a entrega de resultados mais relevantes. Segundo o Google, o sistema se tornou um dos 3 principais fatores de ranqueamento, junto com links e conteúdo. Mas, ao contrário dos outros 2 fatores, era mais difícil otimizar um site para essa inteligência, o que é muito positivo para afetar e descartar páginas com conteúdo escrito de forma pouco natural.

Fred

A atualização Fred foi lançada em 2017 para identificar sites com conteúdo de baixa qualidade e excesso de propaganda.  A prática de vender produtos ou serviços através de conteúdo fraco, usando apenas a geração de receitas (texto irrelevante e diversos banners de anunciantes em busca apenas de clicks) estava sendo cada vez mais vista de forma nociva. Apesar das críticas o Google se recusou a compartilhar muitos detalhes sobre qual o alvo desta atualização do algoritmo, dizendo apenas que atualização afetaria somente àqueles que violam as diretrizes para webmaster.

Bert

A última grande atualização do Google aconteceu em 2019 e o objetivo novamente está na compreensão das intenções de busca dos usuários. A Bert, sigla que significa Bidirectional Encoder Representations from Transformers, é um novo sistema de inteligência artificial especializado no processamento de linguagem natural. De acordo com o Google, 15% das buscas que são realizadas diariamente são inéditas, o que exige do algoritmo entender todas as pesquisas, mesmo que elas nunca tenham sido feitas antes ou que não usem as melhores palavras nas perguntas. O Bert é capaz de compreender o contexto geral das buscas, os significados das palavras usadas e as relações entre elas. Com isso, o Google consegue entender frases completas escritas com uma linguagem natural, de forma bem aproximada à do ser humano.

Gostou deste post? Deixe aqui seu comentário, queremos saber sua opinião. E se sua empresa precisa de ajuda com SEO, conheça agora a consultoria da Netlinks.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.